terça-feira, 24 de julho de 2012

Bíblia

  O estudo da Bíblia é importante e interessa a todos os cristãos (inclusive, portanto, aos espíritas), porque é na Bíblia que encontramos os relatos sobre a vida de Jesus (que era judeu, da casa de Judá, (uma das tribos dos hebreus) e a história do povo em que ele nasceu e viveu. Conhecendo o povo, a época, os lugares e as circunstâncias em que Jesus viveu, poderemos entender melhor seus atos e sua mensagem. Mas, não podemos ignorar que o Velho Testamento há uma parte humana e uma parte divina.


  A parte humana é constituída pelas idéias que os hebreus faziam quanto à origem do Universo, a criação da Terra e dos seres que a habitam; pela legislação civil, disciplinar, estatuída por Moisés e outros dirigentes do povo hebreu. Dessa parte humana da Bíblia, muita coisa ficou ultrapassada pelo progresso do conhecimento humano e mudança dos costumes sociais. Exemplo: O dever de os pais apresentarem o filho rebelde e contumaz para ser apedrejado e morto (Deut. 21: 18 a 21).  E a parte divina é constituída pelas revelações feitas por Bons Espíritos em nome de Deus e através de Moisés e outros profetas (médiuns), transmitindo ensinamentos sublimes sobre as leis divinas. Como tudo que é divino, essa parte dos ensinamentos bíblicos não mudou nem perdeu seu valor, permanecendo atual sempre. Exemplo: O Decálogo (os dez mandamentos).

  Não basta, pois, ler a Bíblia e decorar suas passagens. É preciso entender, discernir e interpretar o que ela contém. E muito nos ajudará, no entendimento das passagens bíblicas, o conhecimento de usos e costumes do povo hebreu, caráter dos israelitas, o modo de se expressar em imagens fortes e simbólicas, etc. Exemplo: Eliseu, a caminho de Betel, encontra um bando de crianças que, em infantil folia, o chamam de careca. Tomado de irritação ele evoca sobre elas a cólera divina. Logo após, duas ursas saem de um bosque próximo e dilaceram 42 crianças; Salomão, proclamado sábio dos sábios, iniciou seu reinado mandando eliminar seu irmão Adonias. Consta que castigava impiedosamente seus adversários e que tinha 700 mulheres e 300 concubinas; Ezequiel, supostamente inspirado por Deus, fez-se amarrar, comeu um pergaminho e deitou-se 390 dias sobre o lado direito, mais 40 sobre o esquerdo, depois banqueteou-se comendo bolos assados sobre excrementos humanos . . .

  Então, embora estudemos também o Velho Testamento, é o Novo Testamento que os espíritas dão maior importância e valor, porque nele está o cerne doutrinário do Cristianismo, o ensinamento espiritual do Cristo, revelação mais avançada e aperfeiçoada que a de Moisés.

  Lembrando que um doutor da lei (conhecedor das leis mosaica) testou Jesus perguntando qual era o maior mandamento da Lei, e Jesus respondeu: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, este é o maior e o primeiro mandamento (Deuteronômio 6:5). E o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo (Levítico 19:18). Estes dois mandamentos contém toda A LEI E OS PROFETAS."
Mas, o que é A LEI e quem são OS PROFETAS?

  A Lei são as regras contidas nos 5 primeiros livros do Antigo Testamento (Torah) atribuídos a Moisés: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Uma parte são leis civis, disciplinares, e humanas; a outra parte são revelações feitas por Bons Espíritos em nome de Deus e através de Moisés (os 10 Mandamentos).

  Os Profetas são os demais livros do Velho Testamento (Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, etc.).

  Como podemos observar, Jesus demonstrou como sempre, perfeito conhecimento das escrituras, retirou dois mandamentos da legislação mosaica e usou para resumir o Velho Testamento (A Lei e os Profetas). É como se Ele dissesse: “ESTAS DUAS LEIS RESUMEM O ANTIGO TESTAMENTO.” Agora perguntemos: “QUEM CONSEGUE SEGUIR ESTAS DUAS LEIS?” Afinal, para amarmos Deus, teremos que aprender a amar, respeitar toda Sua criação (a flora, a fauna, enfim a Natureza em geral, o próximo e inclusive a nós mesmos).

  Perguntemos novamente: “QUEM JÁ CONSEGUE PRATICAR ESTE AMOR”. Consultemos nossa consciência.

Fonte: Apostila do Grupo de Estudos Allan Kardec

Nenhum comentário:

Postar um comentário