quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Traição Virtual


A traição em um relacionamento está hoje em maior ocorrência do que no passado? Talvez sim pela facilidade de comunicação e pela oferta ilusória do sexo virtual, mas não porque há mais pessoas infiéis, pois estes o seria com ou sem internet.

Casamentos construídos sobre a base do apego, do desejo da carne, dos interesses materiais, do status ou da obrigação moral para com a família tendem a desmoronar em poucos anos após a união.

Nem mesmo um filho pode impedir a separação do casal, quando este nunca se amou de verdade, quando ambos enganaram um ao outro tentando construir uma relação de cinema.

Sabemos que a vida a 2 é uma vida dedicada, de compreensão, de conversa diária, de aceitação das imperfeições alheias e principalmente, de verdades.

Aquele que não tem a coragem de trair fisicamente seu cônjuge, mas o faz virtualmente pelo computador, está apenas enganando a si próprio. Digo isso, pois ao procurar no parceiro virtual qualidades e demonstrações de afeto que não encontra no parceiro real, este está apenas mentindo para sua consciência e continua traindo a confiança do cônjuge.

A conversa familiar, infelizmente, cedeu lugar à televisão, impedindo que o casal se expresse, olhe olho no olho, se compreenda. Uma relação não evolui de mera união física para amor eterno apenas pelo sagrado matrimônio da igreja, mas sim pela dedicação de coração ao respeito mútuo.

É difícil salvar um casamento em ruínas, mas então o que podemos fazer para evitarmos isso?

Os pais que lêem este post hoje talvez já estejam enfrentando essa dificuldade e o fazem porque seus pais não os instruíram na infância sobre os valores morais e a responsabilidade da união de um casal. Se você é pai ou mãe, comece a conversar com seus filhos sobre isso, mostre a eles que amar deve vir em primeiro lugar e que o dinheiro, o status e qualquer outro fator material, por último.

Para quem gostaria de salvar seu casamento, o melhor caminho é começar a aprender a amar, aceitando o seu semelhante como ele é, sem querer forçá-lo a mudanças, mas desejando sim estender a mão em auxílio. No menu a direita, encontra-se o link Reforma Íntima, o qual nos guia para esse aprendizado. Se ambos, marido e esposa, desejarem reacender a chama que os uniu, essa reforma é um ótimo caminho.

Haverão os casos em que não há mais volta, em que o parceiro(a) já não deseja mais estar nesta união e, portanto deve-se então libertar essa pessoa, pois ela não lhe pertence, ninguém lhe pertence, nem mesmo os teus filhos. Todos são livres para ir e vir quando bem desejarem. Ora, acaso os filhos não deixam os pais quando atingem a maioridade para formar novas famílias? Esse é o maior exemplo de que sua obrigação pra com eles é apenas em suas formações morais e intelectuais.

Quem ama, liberta, quem se apega e se ilude, quer prender para sempre e sofre quando não consegue, mas também sofre quando consegue, pois qual é o pássaro que vive feliz quando é forçado a viver em uma gaiola?

Por fim, compreendemos então que um simples flerte pela internet tem um ponto escuro mais profundo em teu coração e que mesmo achando que ninguém vai notar que você fez isso escondido, saiba que um espírito sente o que o outro sente, que um pensamento se faz compreensível por meio de vibrações do espírito e que sua boca pode dizer não, mas seu espírito grita sim, estou te traindo pela internet...

Paz e luz!

Um comentário: