segunda-feira, 18 de março de 2013

Em Guerra Comigo Mesmo


  A batalha interior é de cada um, realmente ninguém a vê, ninguém sabe como é difícil tentar se corrigir, tentar se policiar, tentar melhorar. Quantas vezes tentamos não explodir, não gritar, não perdermos a pose diante de situações que muitos sequer fariam um mínimo de esforço para manter a calma.

  Quando vencemos, vencemos a nós mesmos, quando perdemos, perdermos para nós mesmos. A batalha interior não envolve o próximo, não é culpa de outrem, mas é de nossa própria responsabilidade. Quem está de fora não pode e não consegue interferir nela, porque não a vê, não a sente, não a compreende.

  O sucesso ou o fracasso depende apenas de cada um. Quando nos encontrarmos em momentos de fraqueza, temos que orar, temos que elevar os pensamentos, tempos que clamar por socorro espiritual, pois Deus é a nossa força interior, é o nosso suspiro de alívio, é a chama que aquece o coração gelado, é o remédio que apascenta a dor nas cicatrizes do coração.

  Já nos é difícil corrigir as nossas falhas exteriores, imagine então as que estão no nosso íntimo, as quais não temos como pedir ajuda ao irmão, ao amigo, ao marido ou esposa...

  Mas não te faltarás força para superá-la, pois todos somos capazes de vencer a si próprio. Faz parte de nosso processo evolutivo enfrentar o seu "eu", descobrir o que precisa mudar, entender porque se sente assim e compreender para que se deve tal correção. 

  Cada provação superada nos torna mais fortes, o mesmo ocorre com a batalha interior, a qual nos lapida de dentro para fora e nos faz refletir a luz mais branca, mas leve, mais resplandescente que vem das profundezas de nossos corações.
 

4 comentários:

  1. Bom dia!
    Muito obrigada pelas palavras! Foram bem oportunas para mim especialmente no dia de hoje... Tenha uma semana abençoada, meu amigo! Abraços, Mariana Motta

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Mariana!

    Não há de que, são palavras do coração para ajudar a todos!

    Abraços!

    ResponderExcluir