segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A correnteza da caridade está repleta da água do amor!


  Envolvidas no fluxo das energias pesadas e dos pensamentos materialistas, as pessoas passam longe de descobrirem a verdadeira paz que emana da ação caridosa. Como água límpida e cristalina que limpa o corpo, a caridade vem para lavar a alma do ser encarnado.

  Quando Jesus fez o convite a todos nós para aprendermos com Ele que é manso e humilde, deixou a mais importante direção que um cristão precisa seguir. Buscando nos ensinamentos do Mestre manso e humilde, descobrimos que foi a caridade que o manteve livre das tentações do mundo, que o manteve protegido dos olhares invejosos dos hipócritas, pois a caridade lavava a alma de Jesus com o amor que vinha direto do coração de Deus, seguindo para o coração daqueles que necessitavam.

  Somos como Jesus, instrumentos para o amor. Quando auxiliamos alguém, o amor que emana de Deus passar por nós, para somente depois atingir o coração daquele que recebe a ajuda. É por isso que quem faz caridade com boa vontade e fé, sente-se tão aliviado quanto quem recebe a ação caridosa. O ato de doarmos amor é a oportunidade de purificarmos nosso espírito, ao ponto de nos aproximarmos degrau por degrau Daquele que foi todo amor e bondade na carne, Jesus.

  Ó cristãos de todo o planeta, o que fazem vós que estais ai sentados quando há muitos famintos, doentes, desabrigados, tristes, depressivos e necessitados? Levantemos a bandeira com os dizeres Cristo, Amor e Caridade, para que sejamos mais um a levar os exemplos cristãos aos nossos irmãos. Há sede de amor em todo o nosso mundo, há oportunidades diversas para que façamos o bem, não as desperdicemos.

  Esqueçamos um pouco do nosso egoísmo, fujamos do nosso orgulho, acrescentemos uma pitada de boa vontade e nos afastemos dos afazeres materiais por alguns minutos, ao ponto de sermos solidários com os que nos rodeiam. Comecemos com a caridade dentro de nossas famílias, espalhemos então esse amor para os vizinhos, enfim cheguemos aos desconhecidos.

  Ao praticarmos a bendita ação caridosa, sentiremos dentro do peito o amor mais puro e sublime que já pode ser sentido por qualquer ser e acredite, viciaremos nesse amor, ao ponto de não o rejeitarmos mais e de desejarmos para sempre sermos felizes doadores do amor universal que vem do coração de Deus.

domingo, 29 de setembro de 2013

Poema - O Despertar das Nações para a Luz da Fraternidade


Hoje o nosso mundo despertou,
depois de milênios de guerra e terror,
lembrando-se daquele que um dia semeou,
a paz, a caridade e o amor.

Pouco a pouco nos conscientizamos,
de que não nos basta reclamar,
é preciso que todos nós aprendamos,
o lindo gesto de compartilhar.

Oh mundo abençoado por Deus,
terra de muitas oportunidades,
aonde nascem em solos teus,
a semente que germina a fraternidade.

Cria-se um clima melhor a cada dia,
a certeza de dias melhores se fortalece,
a poeira abaixa, o vento acaricia,
é a luz de Jesus que nos esclarece.

Não é preciso mais sonhar,
pois a hora agora é de praticar,
você deve a todos os teus irmãos doar,
sem medo de o teu amor alguém recusar.

Se o passado foi sangrento,
se a religião humilhou a muitos de nós,
lembra-te de que se acabou o tempo violento,
pois a paz reinou logo após!

A palavra mata e o espírito vivifica,
tomemos cuidado com nossas interpretações,
era o que Paulo de Tarso a nós dizia,
vivam uma vida humilde e sem ostentações.

Sinto que hoje teu coração eu toquei,
lembrando-te dos teus deveres Cristãos,
pois desde sempre eu te amei,
como o Cristo amou todos os seus irmãos.

Paz e luz a todos!

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

As drogas disfarçadas estão dentro dos nossos lares!


  Os mais conservadores e adeptos à "cervejinha de fim de semana" irão sempre criticar e até mesmo chamar de fanatismo religioso qualquer publicação que questione o consumo de álcool ou de cigarros, mas o fato é que o assunto é sério e deve ser avaliado em todos os seus aspectos, não como repreensão ou condenação dos usuários, mas sim como oportunidade de orientação sobre os efeitos do consumo.

  Deus fez o homem e a mulher, fez a vida, fez o universo e somos gratos, ou ao menos deveríamos ser porque é realmente um espetáculo de obra, basta parar por um minuto e contemplarmos quantas coisas lindas os nossos olhos conseguem captar ao nosso redor todos os dias.

  O corpo humano é uma máquina sem igual, a qual o homem se esforça para copiar mas não consegue. Deus nos deu total condição de sermos superiores aos nossos irmãos animais e mesmo quando a força ou a forma física forem inferiores, há a inteligência que nos permite criar ferramentas que nos elevam na hierarquia da vida neste planeta.

  Tal corpo nos foi concedido como empréstimo e temos por obrigação fazer um bom uso dele, pois o mau uso irá caracterizar em uma cobrança pelo não aproveitamento da benção da vida terrena a nós ofertada. É o que acontece com um suicida que não escapa de suas tribulações mesmo com a morte física e que na verdade acumula mais dívidas do que imagina, por não respeitar o esgotamento do fluído vital em seus órgãos.

  O consumo de qualquer substância que venha a causar dano ao corpo físico é de fato um suicídio, seja ele lento ou rápido. Um drogado, por exemplo, acelera o seu processo de desencarne e acaba por infringir a lei de amor e caridade, na qual Deus espera que amemos a tudo e a todos, isso inclui a vida.

  Quando se consome cigarros ou bebidas alcoólicas, não é diferente. Cada gole ou tragada irá introduzir substâncias prejudiciais à saúde e consecutivamente levar a danos físicos, doenças e talvez até mesmo a morte dependendo da quantidade ingerida/inalada.

  Não adianta dizermos que só bebemos socialmente ou só fumamos um ou dois cigarros por dia, essas substâncias são veneno para o corpo e isso já foi provado cientificamente, demonstrando todos os males que elas causam. Pensemos da seguinte forma, veneno para rato faz mal para o corpo, você tomaria uma pequena dose dele? Não, não é mesmo? Então porque você se envenena com o álcool ou com o cigarro? Talvez por modismo, pois seus amigos tomam e se você não tomar vai ser um careta, ou talvez por ignorância, porque ignorante não é quem não sabe, mas quem não quer saber e portanto talvez você feche os olhos para os alertas sobre tais produtos.

  É de inteira responsabilidade de cada um cuidar do seu corpo físico. Você pode refletir agora sobre esse tema, tentar por na ponta do lápis se realmente vale a pena beber ou fumar por alguns minutos ou poucas horas de prazer em troca de anos de dívidas por ter danificado sua veste corporal.

  Outro ponto muito forte que as pessoas não sabem é referente a obsessão espiritual que geralmente acompanha os que consomem tais substâncias. Espíritos desencarnados que já não podem mais beber, por exemplo, induzem as pessoas que bebem socialmente a desenvolverem o costume de beber cada vez mais, ao ponto de que podem vir a se tornar alcoólatras. Por que ele faz isso? Simples, ele não pode beber, mas pode sentir a sensação que o seu perispírito transmite ao beber. Também vale pra quem fuma.

  O governo não coloca os rótulos de fígado estragado, cirrose, câncer nas bebidas porque elas dão dinheiro aos cofres públicos, mas se não fosse por pura ganância, as garrafas de cerveja, pinga, vinho e uísque já teriam rótulos parecidos com os avisos de saúde nas caixas de cigarros. Mas avisar é pouco, temos que banir tais produtos da face da Terra. Instruir nossos pequeninos nas escolas a não consumirem qualquer espécie de drogas. Transformar nossos hábitos e vícios ao ponto de nos tornarmos mais saudáveis e menos consumidores das porcarias que as propagandas com mulheres peladas nos empurram.

  O verdadeiro Cristão tem que dar valor ao seu corpo físico e não adianta dizer que só bebe ou fuma de vez em quando, pois faz mal do mesmo jeito e é errado da mesma maneira. Aceite essa luta, aceite mudar, ajude a divulgar porque precisamos com os vícios acabar!

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Dar ou não dar? Eis a questão da caridade.


  A grande questão da caridade dos bens materiais ainda é alvo de narizes torcidos e caras feias para muitas pessoas. Poucos são os que doariam seus bens da mesma forma e com a mesma vontade que facilmente oferecem um ombro amigo. Isso se deve ao bicho corrosivo do apego material.

  Ontem, fui abençoado com uma linda oportunidade a qual se tornou o motivo desta postagem. Ao ir almoçar, pois compro marmitex todos os dias no restaurante na rua de casa, fui abordado por um rapaz, de trajes sujos e gastos, de aparência envelhecida por causa da pouca higiene e de sua pobreza, figura clara dos maus tratos da diferença no equilíbrio dos bens materiais do mundo. O rapaz então me pediu que lhe comprasse uma marmitex, pois estava com fome. Ele carregava algumas garrafas plásticas que coletava para ganhar dinheiro com reciclagem.

  No momento em que fui abordado, não estava com dinheiro e nem com o cartão de crédito, pois deixo o almoço pago para a semana toda justamente para não ficar carregando dinheiro comigo. Tive que declinar aquela valiosa oportunidade de caridade.

  Retornei para meu lar, na mesma rua, almocei no conforto, uma comida saborosa, quentinha e até comi um bombom de sobremesa... Mas a consciência do verdadeiro cristão não lhe deixa em paz enquanto este não compreende a oportunidade perdida. Aquela imagem do pobre homem me pedindo por comida não saía da cabeça, então peguei o dinheiro e saí a rua para ver se ainda encontrava o homem e lá estava ele coletando suas garrafas. Ofertei-lhe então o almoço e fomos juntos comprar.

  Demonstrando grande alegria, o homem escolheu o que queria comer e feliz agradeceu pelo almoço. Meu coração se derramou em lágrimas e a consciência se tranquilizou, pois lembrei-me do quanto Deus tem me ofertado e o quanto aquele pobre homem tinha em falta em sua vida.

  Mas a grande lição não veio somente desse ato, pois é comum eu auxiliar alguém com alimentos, roupas ou amor. A situação que me trouxe ao texto foi a de hoje, pois ao retornar ao restaurante um dia após o ocorrido, uma das atendentes me disse: "Amigo, você deu aquela marmitex por vontade própria ou porque ele pediu?"

  Em meus pensamentos veio a questão: "que diferença faria?" Para mim bastava auxiliar aquele homem, mas gentilmente lhe respondi que o fizera de vontade própria, indicando que mesmo tendo me pedido o almoço, fora eu quem decidi lhe dar.

  A gentil atendente então me disse para eu tomar cuidado, pois aquele homem, em outra ocasião, recebera um almoço e no mesmo dia fora visto pedindo almoço em outro restaurante e o dono do restaurante então lhe disse: "Você tem fome hein?".

  Naquele instante pensei comigo "este é o falso caridoso, pois faz a caridade e espera o retorno". Mas compreendi que nem todos estão prontos para seguir os passos de Jesus e que eu não deveria julgar aquele dono do restaurante, pois ele não sabia o que fazia, apenas dava mais valor ao seus bens do que à oportunidade de amar o próximo.

  Tome cuidado, dizia a atendente, porque ele pode te roubar, agente não sabe né?

  Então sorri e procurei não retrucar o que ela me disse, o melhor seria eu calmamente analisar a situação, a ação que eu realizara e o que ela me contara. Cheguei a seguinte conclusão com base no que Jesus faria se estivesse em meu lugar:

  O Cristo sempre curou os coxos e enfermos que lhe aproximavam suplicando ajuda. Após cada cura, Jesus humildemente dizia ao pobre irmão agora curado: Tua fé te curou, vai e não pequeis mais, para que não tornes a ficar doente!

  Essa frase nos diz tudo, pois Jesus curava as pessoas de boa vontade, com amor, mas no seu íntimo, o sábio Mestre sabia o motivo daquela doença e sabia que grande parte dos curados seriam ainda ingratos ao seu gesto benevolente e tornariam ao mau caminho, por isso a advertência após cada cura, tentando mostrar ao pobre irmão que era ele mesmo o causador do seu sofrimento e que hoje estava curado, mas se tornasse a pecar poderia adoecer novamente.

  Eis aqui a minha reflexão sobre isso, eu auxiliara um faminto, sem me importar se ele iria comer ou se ao virar a esquina ele iria jogar fora aquela comida. Sem me importar se ele iria trabalhar para tentar conquistar o seu alimento de amanhã ou se persistiria pedindo aos outros, o que seria mais fácil. Não cabe a mim, assim como não cabia a Jesus, julgar o seu próximo, mas sim fazer-lhe todo o bem possível, sem esperar retorno algum.

  O julgamento cabe apenas a Deus, pois Deus sabe do íntimo do meu coração e da minha vontade em ajudar os outros, assim como sabe do íntimo do coração dos que eu ajudei e se eles agirem com ingratidão, infelizmente permanecerão no estado em que estavam antes, no caso deste homem, passando fome.

  Os bens materiais que possuímos na Terra são todos temporários e vêm como empréstimo para que sabiamente os utilizemos, não somente para nós, mas para que aprendamos a compartilhar. Eis que um almoço não me faria falta alguma, eu poderia, até mesmo, deixar de almoçar para dar de comer aquele homem e garanto que meu coração se alegraria mais ainda.

  Acredito fielmente que Jesus curasse as pessoas, não uma, mas quantas vezes fossem precisas, pois Ele nos ensinou a perdoarmos infintas vezes os erros que nossos irmãos cometem.

  Não existe nada melhor do que um coração acariciado pela nobreza da caridade com amor e uma consciência suave pela certeza do bem maior cumprido.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Quem lê, sai da escuridão da ignorância, para a luz da sabedoria!


  O Brasil é a pátria do evangelho, terra abençoada de povo acolhedor e que mais tem condições de desenvolver as virtudes apresentadas pelo grande mestre Jesus. Mas para tal, não basta querer, é preciso por a vontade em ação, é preciso instruir-se.

  A leitura, hoje tão abandonada pelas escolas de nossa enorme nação, é essencial para o desenvolvimento educacional, tanto intelectual quanto moral, de cada indivíduo que nasce em nosso orbe.

  Tenho visto legiões de jovens agarrados aos celulares, aos computadores, às televisões e videogames, mas muito longe das boas leituras que sanam dúvidas e alimentam o espírito com paz, conhecimento e bons exemplos.

  Os livros podem ajudar muitas pessoas que estão presas à tentação do sexo, o qual é tão explorado pelas propagandas e que nos traz distúrbios que podem levar até mesmo à obsessão sexual. Além do consumismo que nos faz comprar produtos que nem mesmo necessitamos. Reservemos, pois, esse dinheiro desperdiçado de forma tão errada para adquirirmos bons livros, sejam eles impressos ou digitais, sejam eles novos ou usados em um sebo.

  A leitura faz uma limpeza mental, pois nela mergulhamos no texto e vivenciamos aquela experiência narrada como se estivéssemos lá. Não só a bíblia é um livro importante, mas há muitos que trazem também leituras benéficas e que são milhares de vezes melhores do que a internet, hoje tão mal utilizada para jogos, pornografia e redes sociais (falo dos que passam horas afim nelas).

  Incentive sua família a ler, a se educar, a procurar encontrar nos livros a instrução de que tanto necessitamos. Tire meia hora por dia, leia um pouco, tranquilize-se, respire profundamente, acomode-se em uma poltrona confortável, leia prazerosamente.

  Quem lê, sai da escuridão da ignorância, para a luz da sabedoria!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

A fé verdadeira não permite queixas, mas fortalece o espírito caridoso!


  Se cada um de nós tivesse a fé que Jesus tanto nos disse para termos, muitas aflições e lamentações seriam evitadas.

  Constantemente ocorre de uma simples dificuldade que surge em nossas vidas, se transformar em uma tempestade de desespero, como se o mundo fosse acabar, como se não estivéssemos amparados pela bondade de Deus.

  Procuremos ser como o cego que Jesus curou, aprendendo a ver com a luz do espírito do Senhor e deixando de nos queixarmos por qualquer coisa que surgir. Ao nosso redor, temos pessoas que sofrem também, não somos os únicos. Ao observarmos essas pessoas, notaremos que elas muitas vezes sofrem mais do que nós. Então por que nos queixarmos quando podemos e temos condições de ajudá-las?

  Confiemos mais no Senhor, não só nos momentos fáceis e felizes, pois isso seria hipocrisia, mas acreditemos que até nas tempestades, Deus nos amparará de forma que conseguiremos suportá-las.

  Enquanto você reclama de uma dor de dente, há quem nem dentes tenham para se alimentar, reclamas de uma goteira no telhado, há quem nem telhado tenha para se abrigar, reclamas de uma roupa velha, pobre daquele que não tem roupa para vestir sua nudez.

  Busquemos a fé que transporta montanhas, não para movê-las, mas para termos dentro de nós a força que poderia movê-las a ponto de nada nos abalar, pois acreditamos que o Senhor Jesus, de nós cuidará!

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Quando o Motivo importante encontra o Momento certo


  O motivo é algo que pode se repetir muitas vezes. O motivo de sermos felizes, de sermos tristes, de ficarmos com raiva, de ficarmos calmos, de querermos mais ou de não gostarmos de algo. Ele pode ir e vir quantas vezes desejarmos e portanto podemos selecioná-lo, podemos escolhê-lo.

  Mas o momento não, este vem apenas uma vez. O momento de fazer uma amizade, de dizer eu te amo, de evitarmos dizer algo que vai magoar alguém, de termos fé em Deus, em Jesus e na humanidade. Sendo passageiro e correndo contra o tempo, o momento se torna importante para ser bem usado na primeira vez, porque ele não volta atrás e o mal que se faz poderá até ser amenizado, mas não desfeito.

  Vivamos a vida em sua plenitude, com moderação e evitando os excessos. Busquemos a felicidade nas coisas simples, nos momentos únicos, nas oportunidades de sermos amáveis com o próximo. Não é preciso motivo para amar, basta querer.

  Quando estamos abertos a receber o que a vida nos oferece de melhor, tudo fica mais fácil, os momentos são melhores aproveitados, os motivos nem importantes são, mas os resultados são maravilhosos, porque a alegria inunda os nossos corpos, a paz reequilibra o nosso espírito e o amor inflama os nossos corações aquecendo-os para melhor confortar os que nos rodeiam.

  Tenha então bons motivos para acreditar no amanhã e observe os momentos certos para fazer o que é correto, assim não te arrependerás quando o tempo passar, pois somente boas lembranças haverá de ter em teu passado para recordar-se.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Diversões - O comportamento nas horas de lazer



A vida é um exercício de disciplina.
Desde a infância, a criatura vai sendo condicionada a cumprir determinados papéis.
Na escola, há regras a serem obedecidas.
Tem-se horário de entrada e de saída, intervalo para recreio e a autoridade dos professores.
Mais tarde, no trabalho, também há normas para cumprir.
É necessário tratar os colegas com educação, ser gentil com a clientela, prestar deferência ao chefe.
Cercado por tantos deveres e limites, o homem molda sua personalidade e apresenta-se agradável perante a sociedade.
Alguns resquícios de barbárie surgem por ocasião de atritos e discussões.
Mas em dados ambientes eles necessitam ser controlados, sob pena de severas conseqüências.
Se um profissional distrata seu cliente, perde-o para a concorrência.
Quem se permite ofender os colegas de trabalho corre o sério risco de tornar-se desempregado.
O aluno que se rebela contra as regras e tarefas escolares sujeita-se a repetir várias vezes o mesmo ano.
Trata-se da dinâmica da vida que impõe aos homens um comportamento melhor do que o que lhes é natural.
À força de disciplinar-se, a criatura lentamente domina os próprios impulsos negativos.
Contudo, há um espaço da vida no qual as tendências inferiores mostram toda a sua pujança.
Trata-se dos momentos de lazer.
Neles ninguém se obriga a ser melhor ou diferente do que realmente é.
Quem controla a própria alimentação, nos dias úteis, muitas vezes se comporta como um glutão no final de semana.
Outros gastam suas folgas bebendo e assistindo bobagens na televisão.
Há quem utilize seu tempo livre vendo pornografia na Internet, freqüentando bares e falando mal dos ausentes.
Outro comportamento singular é o apresentado em alguns tipos de reuniões de amigos ou conhecidos.
Não raro surgem brincadeiras constrangedoras e perigosas, como jogar os outros em rios e piscinas.
Nessas situações, habitualmente não se respeita o desejo de quem não quer participar.
Afigura-se até mais interessante apropriar-se da pessoa que resiste e forçá-la a fazer o que não deseja.
O curioso é que os praticantes dessas estranhas brincadeiras são normalmente cordatos e respeitosos.
Apenas nas folgas é que se permitem comportamentos agressivos e vexatórios.
Abandonam seu padrão habitual de conduta e tratam o semelhante sem limites ou respeito.
Não se desconhece a necessidade dos momentos lúdicos.
A vida humana não pode cingir-se a deveres intermináveis.
É bom e útil que os homens se congracem, sejam leves e prazenteiros.
Mas é interessante perceber o modo como o próprio tempo livre é gasto.
Ele conta mais sobre as tendências profundas da criatura do que qualquer outra coisa.
Nele se revelam os verdadeiros gostos, as tendências que vêm do passado milenar, cultivados em inúmeras vidas.
Assim, preste atenção em seu comportamento nos momentos de folga.
Será que você não se aproxima dos brutos em seus instantes de lazer?
Acaso se deixa dominar pelo gosto do ócio, da gula, da luxúria ou da brutalidade?
Perceba como você é quando não necessita obedecer nenhuma regra.
Caso não ache seu comportamento muito nobre, dedique-se a alterá-lo.
Não porque outros o forcem a isso, mas porque você quer ser alguém equilibrado e digno em todos os instantes de sua vida.

Fonte: R.M.E.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

E no 3º dia Ele voltou como prometera...


  Muitas pessoas até hoje não compreendem o motivo de Jesus ter aparecido primeiro para Maria Madalena, mulher considerada impura naquela época por causa de suas relações sexuais com vários homens do poder de Roma.

  Fato é que não se podia compreender o que se passava com aquela mulher sem que se pudesse estar na sua própria pele, não sendo justo efetuar julgamentos e muito menos condená-la pelo seu passado.

  Maria Madalena havia buscado no prazer uma forma de encontrar o amor, pois não o conhecia em sua forma pura e sublime. Tanto é que não importava com qual homem se deitava, nenhum saciava a sua busca por amor, pois as relações eram vazias, representavam apenas o calor do momento.

  O que ela queria é o que toda a humanidade também buscava e somente encontrou quando ouviu falar sobre um certo Messias que pelas redondezas caminhava, trazendo a palavra de Deus em seu coração e em suas atitudes de amor para com o próximo.

  Jesus, quando teve a oportunidade de conhecer Maria Madalena, não a descriminou por seu passado, mas ao contrário, a recebeu de braços abertos e lhe convidou a seguir seus ensinamentos e exemplos, como oportunidade de mudança e também de encontrar o que ela tanto buscava, o amor sublime.

  A aparição do Cristo à Maria Madalena após o triste acontecimento no Calvário, foi grandiosa oportunidade para que todo o mundo e inclusive os apóstolos deixassem o orgulho de lado e aprendessem valiosa lição de humildade. O Cristo ressuscitou e apareceu pela primeira vez para ela, uma mulher de passado questionável, mas de presente louvável, pois ela havia se regenerado. O Cristo, deu-nos a lição de que veio para amar a todos, não somente aqueles que o seguiam desde o início de seus ensinamentos.

  Desde o pequenino até o maior de todos, todos são ovelhas de um só pastor, o governador da Terra, Jesus que é todo amor e bondade.

  Não desprezemos os que tiveram um passado ruim, mas acolhamos estas pessoas em nossas vidas, fazendo o que Jesus fez, doando amor e convidando-as às mudanças que o evangelho nos ensina. 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Se te faltar reconhecimento, lembra-te de que a melhor caridade é anônima!


  Mesmo quando houver a mais pura boa vontade em dar palavras de boa fé e estender a mão com carinho e amor, não é sempre que seremos recebidos da forma que gostaríamos.

  Inimigo de toda a humanidade, o orgulho preenche nossos corações e muitas vezes impede que ajudemos ou sejamos ajudados por alguém. É por isso que nem todos vêem o que as boas pessoas tentam fazer de bom, mas é comum que vejam o que elas deixaram de fazer.

  Tenhamos piedade daqueles que agem assim, pois não sabem o que estão fazendo. Estão realmente cegos pelo orgulho, vendados com o véu negro que bloqueia a luz do amor e que impede o progresso do espírito imperfeito.

  O Cristo nos pediu para semear a Boa Nova, pediu para doarmos todo o amor que temos sem reclamarmos e mesmo que esse amor fosse recusado, pediu para que não ficássemos tristes, pois cedo ou tarde quem o recusou irá clamar por esse mesmo amor, como o faminto que pede por um prato de comida para não morrer de fome.

  Cada um de nós tem o seu tempo e é na hora certa que o véu do orgulho se desfaz, dando oportunidade a claridade emitida pelo espírito humilde que abre o caminho para um novo amanhecer cheio de boas oportunidades.

  Evitemos tentar sermos os salvadores do mundo, pois somos imperfeitos demais para agirmos como tal, mas tentemos, dentro de nossas limitações, fazer o maior esforço possível para fazer o bem sem nada esperarmos em troca, nem mesmo o reconhecimento pelo que fazemos. Agindo assim, pouco importa se o que vêem é só o que deixamos de fazer, pois Deus vê muito mais do que as pessoas. O bondoso Criador vê o íntimo de cada um de nós e sabe os que tem boa vontade para com o próximo e os que fingem serem bons filhos.

  As recompensas pela caridade virão, não neste mundo, não agora, mas no momento oportuno em que melhor pudermos desfrutar delas. Trabalhemos doando amor sem nada esperarmos em troca, façamos sem querermos ser reconhecidos, mas busquemos reconhecer a nós mesmos, cada um vigiando seus próprios atos e observando os erros para que possam ser corrigidos e evitados. Ao fazermos isso veremos o nosso crescimento moral e intelectual e abraçaremos a paz de espírito que nos garantirá passagem livre para o amor eterno.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Apelo da Esperança


Minha querida amiga,
Hoje, estou escrevendo especialmente para você. Tenho acompanhado os seus últimos dias, e muito tem me preocupado a tristeza e a surda revolta que encontrei em seu olhar.
Não me passaram desapercebidas as suas preocupações e medos e, apesar de ter-me colocado ao seu lado, abrindo os meus braços para confortá-la, você passou ao largo, sem abrir o seu coração ao meu.
Por isso estou aqui, insistindo com você! Não desista!
A notícia da gestação inesperada surpreendeu-a com violência e você olha ao seu redor sem encontrar um caminho seguro para seguir.
Aquele que compartilhou com você as horas mornas dos prazeres fáceis, talvez, não queira saber mais da sua companhia e, muito menos ainda, do fruto do instante que já é passado.
Sua família talvez não queira saber dos seus problemas e, como de outras vezes, apenas lhe virará as costas, dizendo que plantou e agora faz a colheita.
Mas, amiga querida, o que cresce em seu íntimo não é um problema: - é seu filho!
Uma alma cara ao seu coração, um amor que volta aos seus braços para acompanhar-lhe os dias que ainda estão para serem vividos.
Não aborte! Não mate a felicidade que bate às portas de sua alma, pedindo-lhe pouso seguro!
Pela sua mente passam imagens de todos os prazeres que terá que abandonar em nome de uma condição indesejada: as festas, os encontros, a liberdade de ir e vir como queria e com quem queria...
Pensa em seu corpo... Em vê-lo deformado, em perder a forma cobiçada, no desconforto, na dor, no parto.
Pensa nas despesas...nos gastos...
Mas eu sei!...eu sei de você! Sei que traz tantas coisas guardadas dentro do coração, tantos sonhos que não compartilha com ninguém, tanta doçura que não expressa...
Amiga, eu a conheço!
Sei que tem fome de amor, desse amor profundo e sem jaça que procurou nos braços de tantos que não a compreenderam e que muitas vezes, desprezam o seu valor.
Aquele que retorna pelo seu ventre também sabe, por isso, escolheu-a para chamá-la pelo mais sublime nome humano que já pousou nos lábios dos seres que habitam essa Terra: mãe!
Reconheço que não terá dias fáceis, que alguns serão de noites sem estrelas.
Prometo, contudo, estar ao seu lado e ao lado de seu filho, observando, alegre, seu ventre crescer, pleno de vida!
E digo mais: não contará apenas com a minha presença, mas, com a presença de muitos que a amam e que velam pela sua paz e pela paz de seu filho!
Não desista de ser feliz! Não aborte seu sonho! Não mate seu filho, para o seu próprio bem!
Com todo o carinho de meu coração.
Sua amiga e companheira eterna:
A esperança.

Fonte: R.M.E.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Um veneno que nos consome chamado ressentimento


  O ressentimento ou mágoa é um sentimento que não faz bem para ninguém. Costuma ficar escondido dentro da pessoa que ao invés de procurar resolver suas diferenças com o seu próximo, guarda para si o mal que ele lhe fizera outrora.

  Quanto mais tempo esse sentimento fica no peito, mais parece que ele dói e tal como ferrugem que ao ferro corrói, nossas energias vibracionais ele destrói. Um veneno mortal que se alastra pouco a pouco pelo corpo físico, pois o espírito expulsa todo o mal que absorveu sob a forma de doenças, donde percebemos que nossos sofrimentos se aumentam mais ainda.

  Não é fácil perdoar, nunca foi e nunca será, mas se não nos esforçarmos para fazê-lo, então estaremos fazendo mal a nós mesmos. Quem não perdoa envenena a sua própria alma e cedo ou tarde irá gritar de dor, uma dor interior que clama por libertação de um sentimento tão ruim para o ser humano, o ressentimento.

  Esforça-te a perdoar e liberta-te deste mal, logo verás que se sentirás melhor e que não valia a pena manter o sofrimento por alguém que muitas vezes nem sabe que te magoou.

  Quando nos livramos do ressentimento, crescemos moralmente e superamos nosso algoz, dando exemplo ao que nos fez algum dia um mal, de que o perdão e o amor são o melhor caminho para a paz interior.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

O que é belo existe, mas nem sempre o enxergamos.


  A vida moderna tem prendido as pessoas dentro de casa, na frente da televisão e do computador. Valiosa oportunidade de vermos a beleza da natureza e da criação de Deus é perdida diariamente.

  Somos bombardeados por programas inúteis que somente acrescentam ideias ruins as nossas mentes, quando poderíamos fazer uma verdadeira higiene mental apenas contemplando a beleza de uma paisagem, de uma árvore florida, de um riacho tranquilo...

  Nós somos os causadores do nosso próprio mau-humor pelas escolhas que fazemos, pelo que buscamos ver e vivenciar em nosso dias. Experimente respirar novos ares, procure conhecer novos lugares, conheça novas pessoas, expanda os teus horizontes hoje tão limitados pelas quatro paredes da tua sala.

  A beleza está nos olhos de quem a vê e portanto é você quem decide ver o belo ou o feio, ficar feliz ou de mau-humor. É hora de despertar e mudar seus hábitos, é hora de perceber que só mudaremos para melhor se reformarmos nossas atitudes e pensamentos, buscando o que Deus tem de melhor para nos oferecer e não o que o homem cria para tentar imitar a beleza da natureza.

  Lembre-se também de que suas atitudes são exemplo para teus filhos e que se você vive de mau-humor em frente a TV ou ao computador, logo seus filhos crescerão sofrendo do mesmo mal. Convide-os a passear no parque, a fazer uma trilha, a viajar, mesmo que não tenha carro, vá de ônibus, vá de bicicleta ou até mesmo a pé se não for muito longe. O importante é chacoalhar a poeira acumulada sobre teu corpo por ficar ai, o dia todo sentado na poltrona em frente à caixa lavadora de mentes, manipuladora de opiniões e provocadora de maus pensamentos, a TV/internet.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O corpo físico foi preparado para o trabalho e para a conquista de um futuro melhor!


  Sem esforço não melhoramos nossa vida. De nada adianta despertar pela manhã e se queixar, quando nada se faz para melhorar. É preciso enfrentar as dificuldades com fé e resignação e superar a subida de um degrau por vez, com paciência.

  Muitos irão desistir pelo caminho, outros irão persistir e a diferença é que somente aquele que não desistiu é que será capaz de alcançar suas metas.

  A vida não é fácil para ninguém, todos precisam fazer esforços contínuos para conter suas imperfeições e cultivar suas virtudes. Feliz aquele que deixa a preguiça de lado e põe as mãos no trabalho que lhe proporcionará crescimento material, intelectual e espiritual.

  O próprio Cristo precisou trabalhar, pois mesmo sendo o ser mais puro que na Terra veio habitar, Ele precisou sair em busca dos que seus ensinamentos precisavam ouvir. Se o Cristo considerasse que por nascer puro e humilde já não necessitasse de se levantar e ir ao trabalho, então nós não teríamos recebido as sementes de amor que ele tanto nos lançou.

  Busquemos nos aprimorar por meio de leituras sadias, um hábito que em nosso país é bem pouco incentivado. Depois busquemos nos oferecer a por em prática o que de bom aprendemos. Por fim observemos que ao praticarmos as coisas boas na vida, conquistamos novas oportunidade e nos encontramos mais preparados para superar novas situações. O trabalho nos edifica e faz com que sejamos dignos de recebermos as bênçãos que vêm do céu.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

O antídoto para o veneno da ofensa é o silêncio do amor.


  Sábias palavras indicam na imagem que todo veneno faz mal somente se ingerido. A ofensa que nos é direcionada, pode ser aceita ou pode ser recusada. Cada um escolhe o que quer.

  Ao aprendermos a ignorar as ofensas, deixamos que o mal lançado em nossa direção, sob a forma de palavras ríspidas e afiadas, bata de frente com um escudo de proteção feito de luz que vem do coração.

  A ofensa é como um presente, o qual se recusado irá permanecer com quem o ofertava. Ora, se recusarmos a ofensa, ela não nos fará mal algum, mas é comum vermos as pessoas irritando-se com a ofensa e portanto aceitando-a como se fosse um presente. Ao fazermos isso, tiramos a nossa própria paz e nos desequilibramos diante da situação.

  Busquemos então não responder à ofensa, mas sim refletirmos sobre quão pobre atitude vem daquele que, em desequilíbrio emocional, atira flechas pela boca que poderiam ferir um coração desprotegido por viver longe dos ensinamentos de Jesus.

  Ao evitarmos responder às ofensas, estamos praticando a lei de amor e caridade, não agravando mais a discussão encalorada, além de evitarmos que nosso espírito absorva o mal que futuramente irá se transformar em doenças expelidas pelo corpo físico. Isso mesmo, quando sentimos raiva, ódio, inveja, ciúmes, nosso espírito se sente mal com tais pensamentos e como isso não provém de Deus, precisa ser expelido. Logo é pelo corpo físico que abandonamos tais pensamentos impuros e acabamos por gerar dores e doenças que nos trarão ao sentimento de inferioridade diante da divindade, ao ponto de nos prostrarmos com humildade e pedirmos perdão pelos nossos pecados.

  Não é porque alguém nos ofendeu que temos o direito de devolver a ofensa. Devemos aprender a amar as pessoas com as imperfeições que elas possuem e, se possível, ao invés de ofendê-las, auxiliá-las para que aprendam a conviver conosco em perfeita harmonia. Muitos ofenderam Jesus, mas Ele sabiamente não retrucava, apenas lançava um olhar simples de amor na direção daquele que era o seu ofensor.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

A voz do coração que aconselha no momento da escuridão.


  Nem sempre somos capazes de compreender a situação sozinhos, nossa vista curta e fechada pelo orgulho nos prejudica a enxergar o horizonte limpo e claro. Graças a Deus que temos amigos que nos aconselham, verdadeiros anjos da guarda que nos ajudam em nossas caminhadas.

  Os conselhos, quando vêm do coração, são ótimos auxiliadores para a descoberta de um caminho antes fechado para nós. Por vezes entramos em dificuldades nas quais não conseguimos sair sozinhos e um conselho amigo pode ser bem útil nestas situações.

  Um cuidado a se tomar é que o conselho não é uma ordem, não é a palavra final e que devemos refletir bem sobre ele. Não é porque a opinião dos outros seja comum que temos que acatá-la. Devemos sempre discernir entre o que é certo e o que é errado e por os conselhos ao seguinte teste: se eu fizer isso que estão me aconselhando, é realmente aquilo que eu gostaria que me fizessem?

  Se a resposta for sim e for sincera, então o conselho lhe é bom porque não fere e nem prejudica o seu próximo. Os bons conselhos são aqueles que querem o bem, não só o seu, mas o de todos envolvidos na situação.

  Lembremos também de que recebemos diariamente conselhos do nosso anjo da guarda, mas nem sempre lhe damos ouvidos. Isso acontece porque nos fechamos na observação das coisas da vida material e esquecemos de que há a vida espiritual, mais pura, mais desenvolvida e mais capaz de nos ofertar paz e amor. Procuremos então silenciar as nossas vozes exteriores e interiores para que sejamos capazes de ouvir a voz do amigo que nos fala suavemente à consciência.

  Hoje, você pode estar recebendo um lindo conselho que lhe será muito útil em sua vida. Amanhã, você poderá ter a oportunidade de retribuir com um conselho que fará a vida de alguém muito melhor. Lembre-se de doar aquilo que você recebe gratuitamente, o amor.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Um convite à caridade!


  Durante muito tempo tenho realizado o trabalho de oração pelos que aqui neste blog deixam seus nomes. Este trabalho de dedicação é feito com muito amor e graças a bondade Divina, muitos tem sido auxiliados dentro do que lhes é permitido.

  Mas agora o trabalho pode crescer mais ainda! Convido a você, caro leitor do blog Serena Luz a vir dedicar 10 minutos diários para realizar uma prece em prol dos que necessitam.

  Não é preciso ter horário fixo, não é preciso usar essa ou aquela prece pronta, basta fechar os olhos e com o teu coração sussurrar uma prece de amor em benefício dos que nos solicitam.

  Além dos que diariamente põe seus nomes aqui, serão agregados pessoas que surgem em noticiários e que possam necessitar de ajuda.

  A lista com os nomes será enviada 1 vez por semana, evitando assim que hajam muitos e-mails na sua caixa de entrada.

  Se você deseja fazer esse ato de caridade junto a mim ou se possui alguma dúvida ainda não esclarecida aqui, por favor preencha o formulário abaixo e me envie para que eu possa lhe responder:


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Na calma reside a melhor oportunidade de compreensão de uso do tempo.


  Devemos cultivar a calma e a paciência para encontrarmos o verdadeiro sentido da vida, o melhor caminho a seguir e observarmos a melhor oportunidade.

  A ansiedade é inimiga do progresso, não traz nada de benéfico e causa perturbação ao ser que se descontrola à medida que mantém a ideia materialista de que tempo é dinheiro.

  Devemos ter calma para entendermos o tempo. Ele é nosso aliado e não nosso inimigo. Não devemos correr contra o tempo, mas sim caminharmos a favor dele.

  Quantas vezes cometemos erros devido à nossa afobação, desespero, falta de paciência e tolerância? Como então aproveitar esse tempo melhor para fazermos o que realmente é necessário?

  Tendo calma!

  Busquemos nos equilibrar, para então refletirmos melhor sobre o que fazer. Nem sempre o que queremos é o que necessitamos realmente e somente aquele que tem a calma para analisar situações é que consegue extrair delas o melhor.

  O treino da calma e da paciência vem com a prática da meditação. O afobado não medita, pois acha que é tempo inútil gasto durante o dia, acha que poderia ganhar muito dinheiro em 1 hora se não meditasse. Mas a verdade é que ele "acha", mas não tem certeza disso porque não deu a devida chance ao cultivo da calma.

  Silencia a tua voz, cala a tua mente, ouve a tua respiração e recebe então a orientação divina que vem na voz interior e não nos gritos externos nas ruas. Tende calma e torna-te capaz de absorver melhor teus próprios pensamentos, eliminando o que de ruim lhe vem a mente e valorizando as boas ideias. Logo, o tempo que era inimigo, tornará aliado e você navegará junto a ele e não contra ele.

  Tende calma...