sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A Caridade é a luz guia da evolução.


  "Fora da caridade não há salvação!"

  Esta máxima tão acolhida pela doutrina espírita nos leva a reflexão da importância que há em se praticar a caridade, auxiliando de forma despretensiosa um ou mais irmãos necessitados.

  Por meio dela é possível encontrarmos a paz e o conforto que a nossa consciência tanto cobra para repararmos os erros anteriormente cometidos.

  A caridade não é exclusividade de nenhuma religião, inclusive pode ser praticada por ateus, o importante não é o rótulo que leva, mas sim a boa vontade no teu coração.

  O Cristo nos incentivou tanto à pratica da caridade, nos deu tantos bons exemplos, não há porque permanecermos na inércia se nos dizemos ser cristãos. Todo Cristão tem essa obrigação, mas mais do que isso, tem essa oportunidade, pois é por meio da doação do amor ao próximo que conseguimos encontrar a graça diante do Senhor.

  Como acham que seremos recebidos por Deus após o desencarne? Pois bem, tuas ações serão o peso de tua medida e a caridade tem um peso enorme que lhe auxiliará na hora de contra-balancear o bem que fizestes com o mal que fizestes.

  Agradeçamos a Deus que nos permitiu gozar a luz do Espiritismo, não porque só aqueles que a possuem podem ser salvos, mas porque vos ajudando a melhor compreender os ensinamentos do Cristo, ela vos possa dizer que o verdadeiro espírita e o verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, porque todos aqueles que praticam a caridade são os discípulos de Jesus, qualquer seja o culto a que pertençam.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Os mistérios ocultos aos sábios e prudentes.


  "Então Jesus disse estas palavras: Eu vos rendo glória, meu Pai, Senhor do céu e da Terra, por haverdes ocultado essas coisas aos sábios e aos prudentes, e por as haver revelado aos simples e aos pequenos."

  Para compreendermos este trecho, precisamos primeiro entender quem são os sábios e prudentes e quem são os simples e os pequenos.

  Os primeiros são os humildes de coração, que mesmo ignorantes estão sedentos do amor do Pai e prontos para receberem as revelações do céu.

  Os segundos são os orgulhosos e prepotentes, que se dizem sábios e doutores da lei, incapazes ainda de ver senão aquilo que lhes convêm. Pedem a Deus e aos espíritos provas de suas existências, mas não se contentam com quaisquer provas, pois querem que sejam provas que eles, orgulhosos, determinam, no horário e no local que também escolhem.

  Aos primeiros, Jesus agradece a Deus porque revelou seu amor, mostrou sua face mesmo que ainda não a possamos ver pelos olhos da carne, mas sim pelos olhos do espírito, através dos sentimentos mais puros.

  Aos segundos, Jesus agradeceu por ter omitido suas revelações espirituais, pois eles não se encontram prontos senão para desbravarem os segredos do mundo material, vivendo ainda presos aos tesouros banais da Terra.

  Não foi diferente com o Espiritismo, pois que os espíritos não fazem esforços para atender aos sábios de prontidão. A doutrina veio para consolar os humildes e necessitados, os que estão prontos para encontrar o caminho da caridade e do amor que lhes conduzirá ao reino dos céus, à paz interior.

  Feliz é aquele que não pede por provas da existência de Deus e da espiritualidade, pois este crê sem precisar ver, demonstrando a fé mais pura que possa existir. De nada adiantaria crermos somente no que nos aparece aos olhos, pois é muito fácil agir assim.

  Mas Deus não abandonou os sábios, prepotentes e orgulhosos, pelo contrário, o Pai sabe que cada um tem o seu tempo e um dia há de despertar para a compreensão da vida eterna do espírito. O caminho, é simples, basta amar, pois o Cristo nos ensinou tantas vezes que o amor cobre a multidão de pecados, pois bem, ame sinceramente e abra caminho para o teu progresso espiritual, moral e intelectual.

  Durante uma leitura que fiz hoje, eis que encontrei no livro "O Céu e O Inferno" uma comunicação espontânea de um espírito que de boa vontade veio trazer uma mensagem para Allan Kardec e os adeptos da doutrina dos espíritos, mas o interessante é que essa mensagem tem exatamente a ver com o texto hoje publicado, reconfirmando a mensagem de Jesus no evangelho. Eu lhes chamo a atenção principalmente para o último parágrafo, vejam abaixo a mensagem:

  (Paris; reunião familiar. Outra comunicação espontânea.) O Espírito responde a uma reflexão sobre sua morte inesperada, em idade pouco avançada, o que a muita gente surpreendeu.

“Quem vos disse que a minha morte não seja, de futuro e por suas conseqüências, um benefício para o Espiritismo?

“Notastes, meu amigo, a marcha que segue o progresso, a direção que toma a crença espírita? Primeiro que tudo, deu-lhe Deus as provas materiais: movimento de mesas, pancadas e toda sorte de fenômenos, para despertar a atenção.

“Era um como prefácio divertido. Os homens precisam de provas tangíveis para crer. Agora é muito diferente o caso. Depois dos fatos materiais, Deus fala à inteligência, ao bom-senso, à razão fria; não são mais efeitos físicos, porém coisas racionais que devem convencer e congregar todos os incrédulos, mesmo os mais teimosos. E isto é apenas o começo: Tomai bem nota do que vos digo: — toda uma série de fenômenos inteligentes, irrefutáveis, vão seguir-se, e o número já tão grande dos adeptos da crença espírita vai aumentar ainda. Deus vai insinuar-se às inteligências de escol, às sumidades do espírito, do talento e do saber. Será como um raio de luz a expandir-se, a derramar-se por sobre a Terra inteira, qual fluido magnético irresistível, arrastando os mais recalcitrantes à investigação do infinito, ao estudo dessa admirável ciência que tão sublimes máximas nos ensina.

“Vão todos grupar-se em torno de vós e, fazendo abstração do diploma do gênio, tornarem-se humildes e pequenos para aprender e para crer. Depois, mais tarde, quando estiverem instruídos e convencidos, servir-se-ão da sua autoridade e notoriedade para levar mais longe ainda, aos seus últimos limites, o fim que vos propusestes — a regeneração da espécie humana pelo conhecimento racional e profundo das passadas e futuras existências. Eis aí a minha opinião sincera sobre o estado atual do Espiritismo.”


Mensagem retirada da página 273 do livro "O Céu e O Inferno" escrito por Allan Kardec, ditado pelos espíritos superiores e publicado e disponibilizado para download no site da FEB.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A necessidade do trabalho



Tudo no Universo é dinamismo e labor.

Os mundos giram incessantemente pelo espaço infinito, em grandiosas jornadas.

As estações do ano mantêm a Terra em processo de constante e viva metamorfose.

As espécies animais e vegetais estão em contínuo aprimoramento.

A organização e o progresso surgem das alterações incessantes.

No âmbito dos seres irracionais, o aprimoramento ocorre de forma automática.

Os imperativos da natureza fazem com que apenas os espécimes mais hábeis e adaptáveis vivam o bastante para assegurar sua reprodução.

Desse modo, a melhor herança genética é transmitida aos futuros seres.

Na faixa da Humanidade, o processo evolutivo é mais sofisticado.

O homem não é guiado apenas pelo instinto de forma automática.

Ele dispõe da razão para orientá-lo.

E sua evolução não possui como aspecto primordial as alterações do organismo físico.

Embora vinculado a um corpo, o homem possui de mais importante a sua natureza espiritual.

Malgrado os corpos se sucedam ao longo das reencarnações, o Espírito que os anima mantém suas conquistas.

As experiências na Terra visam ao burilamento intelecto-moral.

As fadigas necessárias à manutenção da vida física têm por objeto viabilizar essa evolução.

O homem possui muito forte o instinto de conservação da vida.

Para preservá-la, ele se afadiga em inúmeras tarefas.

Essas tarefas, desenvolvidas com a finalidade de obter bem-estar e segurança, fazem-no superar-se a cada dia.

No ambiente profissional, a gentileza é imperativa.

Ninguém pode se dar ao luxo de espantar clientes e maltratar colegas e superiores.

Também é necessário ser pontual, vestir-se adequadamente, falar com correção.

A concorrência torna necessário o contínuo aperfeiçoamento dos próprios talentos e habilidades.

Vagarosamente a criatura desenvolve disciplina, tolerância, amor ao estudo e bons modos.

Caso não necessitasse trabalhar a fim de manter-se, o homem permaneceria um bruto.

Tudo se encadeia com perfeição nos planos divinos.

A Humanidade é uma fase, após a qual vem a Angelitude.

No concerto cósmico, não há favores ou privilégios.

Cada qual é responsável por seu destino e pelos caminhos que trilha.

Mas para sempre, e em qualquer condição, haverá trabalho para ser feito.

Os próprios anjos laboram na manutenção da ordem cósmica.

Trabalhar não é um castigo, conforme o vagabundo o qualifica.

Ócio e estagnação são sinais de doença e de morte.

Valorize suas tarefas.

Realize-as com amor, mesmo por entre dificuldades.

Se você se sente bem apenas no final de semana, esforce-se por mudar esse modo doentio de perceber o mundo.

O seu trabalho corresponde a uma genuína bênção em seu favor.

Se ele lhe exige paciência, renúncias e esforços, não se rebele.

São exatamente as suas áreas de dificuldade que estão sendo trabalhadas.

Enquanto você não enfrentar e superar suas deficiências evolutivas, elas continuarão presentes em sua vida.

Após vencê-las, você estará pronto para experiências mais sublimes.

Pense nisso.

Fonte: R.M.E.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O Dia Mais Belo ( Madre Tereza) com: Elizabete Lacerda

Olá amados visitantes do Serena Luz, recebi esse presente lindo da amada irmã Elizabete Lacerda e compartilho com todos, vejam que lindo o vídeo que ela fez com a mensagem de Madre Tereza!
Publicado em 25/11/2013

elizabetelacerda@gmail.com
Para meus amigos queridos com o desejo de paz ao coração e de dias sempre belos...


Vídeo disponível no link Vídeo_100.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Ao teu inimigo, deseje a paz!


  "Se o amor ao próximo é o princípio da caridade, amar os inimigos é a sua aplicação sublime, porque esta virtude é de uma das maiores vitórias alcançadas sobre o egoísmo e o orgulho."

  A sensação de aproximação de um inimigo faz o nosso coração bater de forma diferente da sensação da aproximação de um amigo. Ora, a razão nos faz acionar o instinto de conservação e portanto, nos faz ficarmos alertas, pois sabemos que o nosso inimigo nos deseja o mal.

  Amar o teu inimigo não significa ter para com ele o mesmo carinho que se tem para com o teu irmão ou amigo, mas sim não lhe desejar o mal, não lhe retribuir as ofensas e não deixar de ajudá-lo quando este necessitar de ti, demonstrando que a caridade benevolente está acima do mal que ele te oferece.

  Em nosso idioma, não temos uma palavra diferente para expressarmos certos sentimentos, por isso há ainda muita confusão no entendimento da máxima que nos diz amar o próximo como se ama a si mesmo, uma vez que o amor a um irmão é um pouco diferente do amor a um inimigo. O importante é compreender pela razão que não devemos deixar de nos precaver contra as investidas do inimigo, porém perdoá-lo sempre, pois somente a Deus cabe o julgamento das ações.

  Retribua o mal com o bem, sem humilhar ninguém, pois ao agir assim estaremos de acordo com os dizeres: Amai vossos inimigos. Não imponha obstáculos a reconciliação, pelo contrário, facilite-a e regozije-te quando conquistar a amizade daquele que um dia lhe quis o mal.

  Não é fácil amar aquele que nos odeia, mas devemos nos esforçar para não sucumbirmos a tentação de odiá-lo pelos seus atos infantis. Ora, não seria aquele que faz o mal o maior necessitado de Jesus? Pois bem, tragamos o mestre em Amor e Verdade para o coração endurecido deste, dando-lhe exemplos de perdão e humildade sempre.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Do abandono surgem novas oportunidades de amar


  Como é difícil não ter um pai e uma mãe, que eduque, que ame, que cuide, que proteja, que esteja presente o tempo todo, dispostos a dar a vida pelos filhos.

  Irmãos, se não podemos ter filhos nesta vida por algum motivo qualquer, não nos falta a oportunidade da adoção. Uma caridade como essa vai além da esmola que queima a mão de quem a recebe, porque não humilha, pelo contrário, a adoção devolve a dignidade ao pobre ser abandonado, dá um lar ao sem teto, dá a proteção ao desamparado.

  Como é nobre o gesto da adoção. Uma criança abandonada, pode ser um parente ou amigo do passado, donde não conheceis a origem. Se soubéssemos do parentesco anterior, não seria então caridade adotá-lo, mas sim um dever de quem sabe ter laços que os unem.

  É verdade que ser órfão é uma situação triste de se viver, mas lembremos sempre da justiça divina que pode usar tal situação como oportunidade para muitas pessoas desenvolverem o verdadeiro amor em seus corações. O filho que foi abandonado, tem a chance de não se revoltar e de aprender a amar os novos pais, enquanto que os futuros pais tem a oportunidade de aprender a amar muito além dos laços de sangue, amando em espírito, em verdade, em vida.

  Ora, lembremos que Jesus nos ensinou que quem eram seus pais e irmãos não eram Maria de Nazaré e seus filhos, mas sim todos os que o Cristo encontrava pelo caminho, fazendo com que a sua verdadeira família não fosso a família carnal, mas sim a família espiritual que habita todo o universo.

  Então, antes de pagar caro em uma inseminação artificial, que tal pensar um pouco sobre a adoção de um pequenino?

  Nascemos para aprendermos a amar a tudo e a todos, eis ai a nossa grande meta!

terça-feira, 19 de novembro de 2013

A necessidade do despertar para a vida espiritual.


  "Deixai os mortos enterrarem os mortos, ide pregar a boa nova."

  Jesus muito nos ensina com esta frase, nos lembrando que a vida espiritual é a verdadeira vida que vivemos, sendo a vida material um comparativo com a morte, pois que é apenas transitória, ou seja, rápida passagem pelo planeta.

  Jesus não teve a intenção de ofender os costumes terrenos de enterrar os que desencarnaram, mas sim espressar um conhecimento muito mais elevado que só pode ser compreendido pelos que conhecem a vida espiritual.

  A importância de enterrar o corpo físico é pequena se comparada na importância de cada um em aprendermos a viver em espírito. Temos uma passagem tão rápida na Terra que devemos aproveitar cada segundo seguindo os bons exemplos deixados pelo Mestre.

  Os mortos que enterram os mortos, naquela expressão, representam os que vivem apenas pensando na vida material e que consideram ser sua única vida. Eis porque o Cristo os vê como mortos, porque só irão nascer, ou seja, despertar, quando alcançarem a libertação do espírito da carne, no momento em que os órgãos já não mais pulsam a vida orgânica.

  Sendo o espírito eterno, não poderia haver uma comparação melhor feita por Jesus Cristo. O homem que vive pensando apenas na vida materialista, considerando-a sua única vida, deixa de galgar a melhoria de suas imperfeições, pois acredita que tudo se acaba com a morte. Ledo engano. Se assim o fosse, os esforços que Jesus nos pediu para amarmos, sermos bons, darmos bons exemplos, seriam inúteis, uma vez que o nada viria após a morte.

  Mas a misericórdia de Deus vai além da compreensão humana. Concede-nos, o Pai de bondade e amor, a esperança de seguirmos vivos em espírito, conservando a nossa individualidade, ou seja, nossas características, nossos pensamentos únicos. Lembremos que o nada não existe, há sempre algo em algum lugar, mesmo que feito de matéria imperceptível aos olhos e aparelhos humanos.

  Devemos dar muita importância em pregarmos a boa nova, mostrarmos que nossa fé nos sustenta nas dificuldades de cada dia, para que outros possam sair da morte em que vivem hoje e despertarem para a vida espiritual, mais bela, mais suave, mais amorosa e cheia de esperanças de um futuro melhor.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Ando devagar porque já tive pressa.


  O ditado popular que nos diz: "a pressa é inimiga da perfeição", retrata de forma simples o mal que a vontade de fazer tudo no mínimo tempo possível pode nos causar, nos levando à falha.

  Basta observar que toda ação mal planejada, executada às pressas, traz algum problema.

  A porta do carro quando fechada rapidamente e sem prestar atenção, pode não fechar direito e vir a se abrir. A passagem no semáforo quando ele está amarelo e pronto para fechar pode causar um acidente. Comer de pressa e sem mastigar direito pode dar até dor no estômago. Estes são alguns pequenos exemplos de muitos que cometemos.

  A que custo fazemos isso? Vale a pena? É certo que não. Essa ansiedade em querer ser ágil é uma de nossas imperfeições e tem causado muitos acidentes e mortes diariamente. O trânsito caótico de hoje é o reflexo dessa pressa, motoristas que ao invés de saírem mais cedo, querem correr mais para chegar mais cedo, desrespeitando o limite de velocidade, desrespeitando os sinais de pare. A criança que quer sair logo para brincar, estuda rapidamente e se dá por mais do que satisfeita com uma ou duas passadas de olhos sobre o livro, não percebendo que o resultado dessa indisciplina virá na nota do exame.

  Como podemos melhorar isso? Conscientizando por meio da educação. É ensinando por meio de exemplos que podemos mudar o mundo. Temos que buscar meditar mais, nos acalmarmos mais, pensarmos antes de falar, fazermos as coisas de forma tranquila, simples, sem o desespero dessa vida tão corrida.

  As pessoas dizem que elas têm que fazer o trabalho agora, que estão desesperadas porque não vão dar conta, que o tempo passa e precisam correr, mas isso é pura ilusão nossa, enquanto nos matamos para fazer algo que possivelmente irá dar errado porque não foi bem feito, a vida segue seu curso calmamente, sem exigir de ninguém que seja seu piloto de corrida. O relógio anda, mas e dai se não deu tempo? O que importa é que tentamos e se não deu certo desta vez, busquemos fazer antes, ou deixar algo preparado para auxiliar na redução do tempo gasto. Mas não corra, não exija de si aquilo que só vai te causar stress.

  Tenhamos mais calma, busquemos reduzir a ansiedade, reflitamos mais antes de agir, programe-mo-nos nas tarefas para não termos que sair atrasados.

  É preferível chegar atrasado 10 minutos, do que não chegar ao seu destino...

  Ninguém deu mais exemplo de calma e mansidão do que o próprio Cristo!

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

A educação e a música


  A música faz parte da História da Humanidade desde os mais remotos tempos.
  As pinturas rupestres, achadas em sítios arqueológicos, e que descrevem a rotina de grupamentos humanos primitivos sugerem danças e uso de instrumentos musicais.
  A História das civilizações antigas é repleta de manifestações musicais, algumas delas ligadas a rituais religiosos ou a festas tradicionais de cada povo.
  Desde a vida intrauterina a música parece influir no bebê. Mulheres grávidas relatam menor agitação da criança quando escutam música suave.
  Durante os primeiros meses de vida a criança já mostra percepção musical. Estudos demonstram que os recém-natos parecem se acalmar ao ouvir uma melodia suave.
  As crianças comumente se alegram quando ouvem música e, nessa fase da vida, podemos influenciar seu gosto musical através do hábito.
  Entre os séculos XIII e XIX a Humanidade foi presenteada com compositores que criaram um estilo de música elevado, conhecido hoje como música clássica e erudita, que significa música de qualidade.
  Entre os compositores desse período estão Johann Sebastian Bach, Ludwig van Beethoven, Wolfgang Amadeus Mozart, Frederic Chopin.
  Esse tipo de música, originalmente composta na Europa, ganhou adeptos no mundo todo. Hoje, grandes orquestras em todos os países se dedicam a apresentar obras desses gênios da Humanidade.
  Beethoven costumava dizer que Deus se comunicava com ele através da música. Mozart dizia que a música não era sua, mas sim fruto de uma inspiração superior.
  Muitas composições de Bach foram influenciadas por sua religiosidade e até hoje emocionam o mundo, como o famoso Oratório de Natal.
  Os espectadores de um concerto de música clássica sentem-se comumente enlevados, desfrutando de uma emoção muitas vezes indescritível.
  Comumente tal gosto musical se associa a outros hábitos culturais. Por este motivo esse estilo musical é também chamado erudito, palavra que significa vasta cultura.
  A platéia dos concertos clássicos costuma manter-se em silêncio, comportamento bastante diverso das apresentações de estilos musicais populares que convidam à agitação.
  No entanto, ainda hoje, em muitas sociedades, o gosto pela música clássica não é o que predomina, talvez porque tal estilo não seja apresentado às crianças.
  Assim como a educação formal é necessária para que a criança aprenda a ler e a escrever, e desenvolva um conhecimento básico que a habilite para sua vida, a educação musical pode formar o hábito do indivíduo.
  Ao ouvir música de elevada qualidade desde a infância, o indivíduo poderá incorporá-la a seus hábitos com maior facilidade.
  Educar é desenvolver a capacidade física, intelectual, moral e afetiva de um indivíduo. Educar uma criança é uma tarefa da mais alta responsabilidade.
  É dever de quem educa mostrar caminhos de qualidade a uma criança e dar a ela bases morais para escolher o caminho que, mais tarde, usando seu livre-arbítrio, ela escolherá.

Fonte: R.M.E.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A Cartilha da Oração


  Jesus nos esclareceu sobre a melhor prática da prece, deixou-nos orientações precisas mas que nem sempre são cumpridas.

  Primeiramente, o querido Mestre Nazareno nos pediu para fecharmos a porta do quarto e em um ambiente reservado, longe dos olhares julgadores e dos sons que possam causar-nos distúrbios e distrações, orarmos em reservado.

  Já percebeu o quanto nos atrapalhar orar quando estamos com pensamentos em coisas materiais que nos perturbam? Ou quando queremos nos concentrar na prece mas há ruídos que incomodam? Eis porque Jesus pediu para o fazermos em reservado no quarto, de portas fechadas, para que nossa concentração seja plena e que nossa prece atinja a máxima vibração.

  Logo após, o Cristo nos alerta para a quantidade de palavras que devemos usar nas preces. Não é a multiplicidade das palavras que nos causam uma boa impressão para Deus, mas sim a simplicidade do pedido feito de coração. Preces mecanicamente decoradas irão perder totalmente o efeito. Quer um bom exemplo? Diga mecanicamente para alguém que você o ama, ou faça da mesma forma um pedido de perdão. Acaso a outra pessoa não lhe acusa de não estar sendo sincero? Pois bem, se nós que somos tão imperfeitos conseguimos notar a falta de sinceridade num pedido tão mal feito da boca para fora, imaginemos a Deus que tudo sabe do íntimo de nossos corações. Antes mesmos de pedirmos, Deus e a espiritualidade já estão cientes de nossas necessidades, mas aguardam pelo pedido curto, simples, humilde e que vem realmente do nosso coração, para que então nos apresentemos necessitados de auxílio.

  Por fim, na parábola entre o Fariseu que orava em pé, se dizia pagador do dízimo, se dizia caridoso por dar tudo o que tem e do Publicano que prostrado humildemente assumia a condição de filho pecador, observamos que Jesus avisa que o Publicano, na sua atitude humilde e sincera, fala pelo coração e terá sua prece ouvida, mas o Fariseu, por se elevar acima de todos, por se fazer melhor do que o próximo, enche sua prece de orgulho e vaidade, venenos que anulam qualquer boa vibração e removem as remotas chances de ser abençoado pelo Pai misericordioso.

  O poder da prece é indiscutível, mas saber fazê-la é essencial para que não venhamos a perder a oportunidade de falarmos com o coração com Deus.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A Riqueza do Pobre Avaro


  Não podeis servir a Deus e a Mamon ao mesmo tempo!

  Mamon é uma figura simbólica que representa a avareza, sentimento de apego aos bens materiais que está em nosso íntimo, também conhecido como egoísmo.

  Essa posse ilusória, tão cobiçada no mundo capitalista em que a humanidade mergulhou, causa-nos diariamente muito sofrimento.

  Sofremos por termos coisas demais e não termos espaço para colocá-las, sofremos por termos tantas coisas que não conseguimos aproveitá-las corretamente e sofremos por vermos que outras pessoas nada têm e vivem na miséria.

  Você pode dizer que é feliz com o que tem, mas estou certo que a tua consciência se entristece cada vez que você vê uma criança na rua, sem roupa, sem comida, sem brinquedos. Mesmo assim, é comum o nosso coração endurecido pelos maus sentimentos que o habitam, fingir estar tudo bem e ignorar essa visão tão perturbadora.

  Afasta-te, pois, da avareza. Cultiva o compartilhamento dos teus bens. Semeia a igualdade entre todos e não fique preocupado com o vizinho que não faz isso, pois a cada um será cobrado pelos seus atos no reino de Deus. Como poderia o servidor de Mamon pedir clemência a Deus, quando este sempre virou as costas ao Pai de amor e bondade? Haverá de sentir a própria consciência lhe jogar num estado de arrependimento e amargura e terá então que voltar a vida terrena para novamente enfrentar as provações que lhe permitirão superar o egoísmo.

  Jesus nos esclareceu da dificuldade do rico em entrar no reino dos céus, mas nunca disse ser impossível, pois o grande Mestre sabe que não são os bens que fazem o homem bom ou mau, mas sim os sentimentos que ele carrega no coração, as atitudes em prol do próximo, a vontade de fazer um bom uso daquilo que Deus lhe emprestou na vida carnal.

  Esse sentimento de solidariedade se eleva na época do Natal, mas deveria existir todos os 365 dias do ano, pois temos que ser bons todos os dias de nossas vidas.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Poema - Qual é o teu fruto?


 É pelo fruto que se reconhece,
a árvore que o fruto nos oferece,
então se bom for o fruto,
não haverá um gesto bruto.

  No evangelho da elucidação,
encontramos diversas repetições,
desta maravilhosa lição,
sobre o que semear às multidões.

  Entendamos a boa árvore,
como sendo um humilde servidor,
que ao invés de um coração duro como mármore,
possui a maciez do bondoso doador.

  Que coisas boas podemos esperar,
daquele que semeia gestos honestos,
seu exemplo o mundo vem a tocar,
pois bons são os exemplos dos retos.

  É preciso cada nova ação qualificar,
pois sendo a árvore ainda muito má,

o sentimento do mal irá predominar,
no fruto em que na sua copa nascerá.

  Se a árvore é bondosa,
só coisas boas dela virão,
o fruto de forma gloriosa,
consolará até um triste coração.

  E como semente que se joga no solo,
o fruto se espalha rapidamente,
igual a cabeça que se deita no colo,
da criança que recebe afeto carinhosamente.

  Por isso é importante observar,
nossas atitudes que no fundo exibem,
os sentimentos que estamos a comportar,
pois é dentro de nós que ali residem.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

A Maldadade não é Eterna


  A maldade não é o estado permanente dos homens. Ela se deve a uma ou mais imperfeições momentâneas, e que, do mesmo  modo que uma criança se corrige dos seus defeitos, o homem mau reconhecerá um dia seus erros e se tornará bom.

  Havendo a maldade em nossos corações, não podemos nos corrigir senão pela observação da bondade realizada pelos nossos irmãos. A caridade se torna um veículo do amor de tamanha importância, porque não só auxilia os necessitados, mas recupera os perdidos e malvados.

  Não importa se é encarnado ou desencarnado, o ódio cultivado não se extingue com a morte, sendo portanto a expressão "apagar o ódio com o sangue" radicalmente falsa. O espírito é eterno e somente perdoa aqueles que um dia lhe fizeram o mal ao ver que se arrependeram e que esforçam-se para fazer o bem, acusados e atormentados pelas próprias consciências.

  A lei de Talião nos ensinava "olho por olho, dente por dente", mas Jesus melhorou essa lei ao ponto de nos ensinar que somente o amor aos nossos inimigos seria capaz de penetrar os corações endurecidos pelo ódio e pela vingança. Se fomos feridos com ferro e então viermos a ferir com o mesmo ferro, não estaremos melhorando a situação, mas somente agravando, pois violência gera violência, ao passo que amor gera amor.

  Todo homem mal há de se tornar bom um dia, pois Deus é justo e não há falhas na justiça divina. Se o ódio pode permanecer mesmo após o desencarne, eis ai uma linda oportunidade de resgate e reparação do mal praticado, pois só o perdão nos liberta do sofrimento que causamos e recebemos.

  Tendo a caridade como o exemplo de amor a conduzir os maus para o caminho do bem, compreendemos porque se diz que "o amor cobre a multidão de pecados". Se fizermos alguém sofrer, obviamente teremos que nos redimir da violência contra o nosso próximo e a melhor forma de começarmos é pedindo perdão, mesmo que o companheiro não esteja mais no orbe terreno, mesmo que o perdão leve séculos para ser concedido, quanto antes nos arrependermos do mal praticado, mais cedo poderemos nos libertar de sofrimentos como obsessões e subjugações espirituais.

  Lembre-se que o perdão precisa ser sincero, deve vir do coração e ser sucedido de obras de amor ao próximo para mostrar não só ao seu inimigo, mas também para Deus que você busca se reconciliar com a paz e o amor, deixando de lado os sentimentos impuros que o levaram ao erro.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Ser Humano


  Há muito não via uma cena como aquela. Logo pela manhã, chegamos a uma cidadezinha que faz parte da região metropolitana de grande capital brasileira.
  Paramos em frente ao local do nosso destino e ficamos aguardando a pessoa com quem havíamos marcado compromisso, numa rua sem asfalto e com pouco movimento de carros.
  Era a hora em que as pessoas estavam indo para o trabalho, e foi aí que me dei conta de algo que há muito não via. As pessoas que transitavam, a pé, pela rua, nos dirigiam um fraterno "bom dia".
  Ao primeiro cumprimento não respondemos, tal a surpresa, pois as grandes cidades nos tiram a sensibilidade de seres humanos.
  Geralmente andamos pelas ruas abarrotadas de pessoas, mas umas não olham para as outras, e quando o fazem é para tomar os devidos cuidados com possíveis assaltantes.
  E isso não acontece só nas ruas, onde o número de pedestres é grande, não.
  Quando entramos num elevador ficamos sem jeito, sem palavras, e geralmente olhamos para o teto ou para o chão, com receio de olhar no rosto daquelas pessoas que dividem conosco aquele pequeno espaço.
  O que está acontecendo conosco?
  Será que estamos perdendo a humanidade para nos tornar autômatos?
  Será que estamos perdendo a sensibilidade de olhar, sem medo, nos olhos do nosso semelhante e saudá-lo?
  Será que não temos mais a capacidade de desejar um sincero bom dia a alguém?
  O que está acontecendo conosco, afinal?
  Ás vezes, quando andamos pelas ruas dos grandes centros, notamos que as pessoas circulam apressadas, alheias a tudo, como naqueles filmes de ficção, em que as pessoas foram substituídas por robôs.
  Programados para tarefas específicas, esses robôs não têm a sensibilidade dos seres humanos... Não têm coração, têm chips, computadores eficientes, mas não têm calor humano. São frios.
  A sensibilidade é atributo dos seres humanos. A fraternidade, a solidariedade, o afeto, a ternura, são inerentes à criatura humana.
  Quando, naquela manhã, pessoas que nunca havíamos visto antes nos olharam e nos desejaram um sonoro e convicto bom dia, nos sentimos gente.
  Ser gente! Eis do que sentimos falta.
  Talvez isso pareça medíocre, para alguns, mas é bom se sentir gente.
  Receber de um desconhecido um olhar de afeto, um olhar de encorajamento, faz bem para a alma.
  É bom saber que as pessoas notam você e que você as nota, não como supostos bandidos, mas como gente, apenas como gente.
  Há tanta falta de atenção de uns para com os outros, nesses tempos de correria em busca de dinheiro e coisas, que nos esquecemos de que somos todos passageiros dessa grande embarcação chamada terra.
  Esquecemos de que somos concidadãos dessa pátria-mãe chamada Brasil.
  Por isso tudo,é bom se sentir gente entre pessoas que, como nós mesmos, lutam, sofrem, trabalham e choram...
  Pessoas que amam, que sonham, que buscam um lugar ao sol, e que desejam ser, simplesmente... Gente.

  Pense nisso!

  Saúde as pessoas que cruzam seu caminho: o vizinho, o jardineiro, o ascensorista, serventes, pessoas no elevador.
  E se o seu dia amanheceu nublado, se você não está com vontade de saudar ninguém, olhe para as pessoas com fraternidade.
  Faça-as sentirem-se gente. Gente como você.
  É uma atitude simples, mas tão poderosa que pode levantar o ânimo de alguém, evitar um suicídio, promover, de fato um bom dia para alguém.

Fonte do texto: Link

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Poema - Os 4 Verbos do Progresso Espiritual


  Inicia teus esforços para melhorar,
concentra-te nos mandamentos do Criador,
o primeiro ato que deves exercitar,
é lição de "AMAR" com muito ardor.

  Nós nascemos para amar aprendermos,
liberta-te do apego que te causa dores,
não importa quem no caminho encontremos,
todos os seres podem nos ser grandes amores.

  Amar a Deus em primeiro lugar,
assim como a ti, o próximo deves amar,
amar o inimigo sem o julgar,
para que o mundo um lugar melhor venha a se tornar.


  No segundo passo deves "TRABALHAR",
dedicando-se a semear o amor,
pois mesmo em terras difíceis de plantar,
o trabalho supera a dificuldade e a dor.

  O trabalho dignifica o ser humano,
combate a ociosidade e a preguiça,
exalta o teu amor soberano,
garante a tua evolução com justiça.

  A palavra de conforto vem em auxílio,
acalma o coração que estava em martírio,
o cuidado do doente traz o alívio,
no trabalho digno do livre-arbítrio.

  Em seguida o terceiro virá,
fruto do combate à ansiedade,
você deve "ESPERAR" pois chegará,
o fruto do trabalho e da solidariedade.

  Somente o tempo nos revela,
no momento certo o nosso chamado,
não adiantaria um barco a vela,
querer navegar sem que o vento haja soprado.

  Conserva-te na espera,
pois logo a oportunidade aparecerá,
Deus sabe que é somente na primavera,
que a flor mais bela desabrochará.

  E por fim chega-nos o último,
verbo difícil de se empregar,
"PERDOA" é o verbo mais íntimo,
que podemos tentar aplicar.

  Perdoar é mexer com a razão,
os princípios lutam contra o orgulho,
logo se vê não ser fácil situação,
do coração remover todo o entulho.

  Ama, trabalha, espera e perdoa,
pede a espiritualidade que assim se faça,
a voz celeste então entoa,
o cântico mais belo que a todos nós enlaça.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A Lei cuida de todos

  Em uma apreciação rasa das ocorrências do mundo, talvez pareça que as injustiças imperam.
  Entretanto, a ordem cósmica é perfeita e ninguém consegue burlar seus imperativos.
  Não há como negar que os homens erram, em sua imperfeição.
  Às vezes utilizam a liberdade de modo infeliz e causam dores na vida do próximo.
  Mas absolutamente ninguém se furta de assumir as consequências de todos os seus atos.
  Ações dignas se convertem em bênçãos e luzes.
  Desafios vencidos, com coragem e dignidade, abrem portas para fases mais ricas da existência imortal.
  O mesmo se dá com relação aos equívocos, apenas com outra conotação.
  Tudo o que se faz, diz e pensa, tem consequências.
  A influência que se exerce no mundo vincula o porvir.
  Quem incentiva o vício, semeia a dor ou delapida os tesouros da vida, prepara dias de angústia para si próprio.
  Contrariamente ao que por vezes se pensa, o propósito da Lei Divina não é punir.
  Ela objetiva educar, corrigir e levar o faltoso à reparação.
  A dor, como resultado do equívoco, é apanágio de quem se nega a retificar o que fez.
  Isso não implica que o ato de reparar, embora não tenha necessariamente uma conotação dolorosa, seja fácil.
  Tudo depende da gravidade dos desdobramentos do ato praticado.
  Imagine-se que um homem induz outro a desenvolver determinado vício ou a adotar certa conduta leviana.
  O primeiro vincula-se aos reflexos de seu agir inconsequente.
  O segundo pode ter estrutura moral mais frágil e se complicar de modo grave.
  Talvez ponha a perder o equilíbrio de sua família e a própria saúde.
  Quem o induziu ao despenhadeiro terá de auxiliá-lo na caminhada de retorno.
  Assim, convém prestar muita atenção na influência que se exerce sobre o semelhante.
  Nunca se sabe o quanto os próprios atos, exemplos e palavras podem ser impactantes.
  Quem se faz instrumento do mal lança algo em direção ao futuro.
  O único modo de impedir o retorno, na forma de aflições, é se dispor rapidamente à reparação.
  Uma vez consciente do equívoco, impõe-se assumir corajosamente as consequências.
  Providências nobres, voltadas à reconstrução da harmonia, constituem o amor que cobre a multidão de pecados, no dizer evangélico.
  Tendo em mente a perfeição da ordem cósmica, não há razão para se angustiar com as aparentes injustiças do mundo.
  Certamente convém agir para que elas sejam minoradas e o mal gradualmente se extinga.
  Contudo, tal pode se dar em regime de tranquilidade e confiança em Deus.
  Afinal, se cada um é livre para fazer o que deseja, a Lei cuida de todos.

Pense nisso.

Fonte do texto: Link

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Poema - A Difícil Mudança do Convertido ao Cristianismo


  Se no passado você era contra,
e muito se recorda de negar,
falar-lhe sobre o Cristo era uma afronta,
você nem podia isso tolerar.

  Seus amigos sempre simpatizavam,
com ideias que não faziam bem,
em maus vícios e atitudes eles se entregavam,
nem pensavam em ajudar alguém.

  Mas Deus é paciente com todos,
espera os filhos despertarem da ilusão,
pois o mundo terreno é cheio de engodos,
que atraem-nos para um forte turbilhão.

  No sofrimento é comum clamarmos,
pedirmos perdão pelo tempo perdido,
não adiantará então reclamarmos,
Deus sabe quem está arrependido.

  Na mudança de opinião e atitude,
os que no passado te acompanhavam,
cometendo erros em grande amplitude,
agora apenas lhe abandonaram.

  Te criticam por seguir um carpinteiro,
simples e humilde de coração,
só porque Ele pôs o mundo inteiro,
em pensamentos que geraram confusão.

  Mas lembra-te de que o Cristo não te abandonou,
mesmo quando você virava-lhe as costas,
quantas vezes você Dele debochou,
mas Ele sempre bateu às tuas portas.

  No novo caminho, o passado não se apagará,
fixa-te na vontade de os erros evitar,
porque senão o sofrimento voltará,
no coração que não estiver pronto para amar.

  Não junte-se aos fanáticos da religião,
não queira obrigar ninguém a mudança,
é preciso respeitar cada irmão,
pois no passado essa foi a causa da matança.

  Assim como você, muitos se perderam,
cada um tem seu tempo e o Pai é paciente,
não se esqueça que vários já se converteram,
por meio de exemplos de ação beneficente.

  Junta forças para seguir em frente,
seja reto e pondera nas decisões,
nesse mundo ainda há muita gente,
curando as feridas dos próprios corações.

  Uns vão lhe entender,
outros vão lhe condenar pelo passado,
Jesus não agradou a todos pelo seu proceder,
mas nem por isso deixou de ser amado.

  A vitória do verdadeiro Cristão,
está na mudança de atitudes e pensamentos,
buscando reformar dentro do seu coração,
removendo todos os dias os maus sentimentos.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Poema - A Mudança para uma Profissão mais Humilde.


  A mudança do caminho,
ora duvidosa, ora complicada,
pode parecer estar em desalinho,
porém já era esperada.

  Do orgulhoso cargo exercido,
o chamado de Deus nos arranca,
para um trabalho humilde e prestativo,
banhando na luz mais pura e branca.

  Abusa da oportunidade que lhe é oferecida,
reprime tuas imperfeições mais aparentes,
medita em cada virtude por ti recebida,
purifica o espírito nas tarefas beneficentes.

  O novo meio ao qual você foi levado,
lhe permitirá o estudo do evangelho,
aprenderás agora o exemplo consagrado,
do Filho que respeita o Pai mais velho.

  O caminho humilde não é humilhação,
mas é oportunidade para se reencontrar,
todo trabalho nos garantirá o nosso pão,
mas nem todos nos ensinam a amar.

  O líder pode ter suas virtudes,
mas é o professor quem forma a moral,
em meio a tantas vicissitudes,
transforma o garoto em hábil profissional.

  Se José era um simples carpinteiro,
o pai de Paulo de Tarso era tecelão,
profissões humildes que deram dinheiro,
que garantiram a continuidade da pregação.

  O rabino que antes a todos corrigia,
fora chamado na estrada de Damasco,
à luz forte do céu que surgia,
a arrogância se tornou um fiasco.

  Na cegueira que repentinamente lhe surgira,
parecia ver mais a luz do que antes via,
muitos pensamentos no momento lhe afligira,
e lágrimas corriam pela face em agonia.

  O simples mestre e humilde carpinteiro,
agora dobrava os joelhos do rabino orgulhoso,
conquistava mais um bravo escudeiro,
para expandir o evangelho glorioso.

  E não foi fácil mudar de profissão,
pois como rabino não poderia mais viver,
foi como um humilde tecelão,
que encontrou o sustento para não morrer.

  Muitos já passaram por situação semelhante,
outros ainda hão de aqui também passar,
nem adianta fechar o teu semblante,
cedo ou tarde o Cristo irá te convocar.

  Os tesouros da Terra nos atrapalham,
mas os tesouros do espírito nos elevam,
ao passo que as sementes se espalham,
muitos ao evangelho se entregam.

  Essa mudança virá na hora certa,
não importa a tua posição,
é na hora em que a situação aperta,
que Jesus verdadeiramente lhe estende a mão.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Poema - Que Haja Sempre Fé


  Que haja sempre fé,
e o medo todo eu supere,
para que eu auxilie até,
o irmão que hoje me fere.

  Que haja sempre fé,
e em minha mente o exemplo seja vivo,
para eu recordar-me qual é,
a melhor palavra de incentivo.

  Que haja sempre fé,
mesmo na hora da dificuldade,
aproveitarei quando estiver a pé,
para caminhar com humildade.

  Que haja sempre fé,
durante a ausência da luz,
numa escuridão cor de café,
sei que ao meu lado está o Mestre Jesus.

  Que haja sempre fé,
quando me faltar todas as forças,
me lembrarei que em Nazaré,
estava Maria, a mais forte entre as moças.

  Que haja sempre fé,
porque mesmo eu sofrendo assim,
foi no lago de Genesaré,
que Jesus disse: Vindes todos que sofreis a mim!