quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A necessidade do trabalho



Tudo no Universo é dinamismo e labor.

Os mundos giram incessantemente pelo espaço infinito, em grandiosas jornadas.

As estações do ano mantêm a Terra em processo de constante e viva metamorfose.

As espécies animais e vegetais estão em contínuo aprimoramento.

A organização e o progresso surgem das alterações incessantes.

No âmbito dos seres irracionais, o aprimoramento ocorre de forma automática.

Os imperativos da natureza fazem com que apenas os espécimes mais hábeis e adaptáveis vivam o bastante para assegurar sua reprodução.

Desse modo, a melhor herança genética é transmitida aos futuros seres.

Na faixa da Humanidade, o processo evolutivo é mais sofisticado.

O homem não é guiado apenas pelo instinto de forma automática.

Ele dispõe da razão para orientá-lo.

E sua evolução não possui como aspecto primordial as alterações do organismo físico.

Embora vinculado a um corpo, o homem possui de mais importante a sua natureza espiritual.

Malgrado os corpos se sucedam ao longo das reencarnações, o Espírito que os anima mantém suas conquistas.

As experiências na Terra visam ao burilamento intelecto-moral.

As fadigas necessárias à manutenção da vida física têm por objeto viabilizar essa evolução.

O homem possui muito forte o instinto de conservação da vida.

Para preservá-la, ele se afadiga em inúmeras tarefas.

Essas tarefas, desenvolvidas com a finalidade de obter bem-estar e segurança, fazem-no superar-se a cada dia.

No ambiente profissional, a gentileza é imperativa.

Ninguém pode se dar ao luxo de espantar clientes e maltratar colegas e superiores.

Também é necessário ser pontual, vestir-se adequadamente, falar com correção.

A concorrência torna necessário o contínuo aperfeiçoamento dos próprios talentos e habilidades.

Vagarosamente a criatura desenvolve disciplina, tolerância, amor ao estudo e bons modos.

Caso não necessitasse trabalhar a fim de manter-se, o homem permaneceria um bruto.

Tudo se encadeia com perfeição nos planos divinos.

A Humanidade é uma fase, após a qual vem a Angelitude.

No concerto cósmico, não há favores ou privilégios.

Cada qual é responsável por seu destino e pelos caminhos que trilha.

Mas para sempre, e em qualquer condição, haverá trabalho para ser feito.

Os próprios anjos laboram na manutenção da ordem cósmica.

Trabalhar não é um castigo, conforme o vagabundo o qualifica.

Ócio e estagnação são sinais de doença e de morte.

Valorize suas tarefas.

Realize-as com amor, mesmo por entre dificuldades.

Se você se sente bem apenas no final de semana, esforce-se por mudar esse modo doentio de perceber o mundo.

O seu trabalho corresponde a uma genuína bênção em seu favor.

Se ele lhe exige paciência, renúncias e esforços, não se rebele.

São exatamente as suas áreas de dificuldade que estão sendo trabalhadas.

Enquanto você não enfrentar e superar suas deficiências evolutivas, elas continuarão presentes em sua vida.

Após vencê-las, você estará pronto para experiências mais sublimes.

Pense nisso.

Fonte: R.M.E.

Nenhum comentário:

Postar um comentário