sexta-feira, 2 de maio de 2014

Para corrigir um defeito.

  Nossos maus instintos são decorrentes da imperfeição do nosso próprio espírito, e não da nossa organização física.

  Ninguém se torna mau porque o coração bate diferente, nem o faz porque o cérebro deixou de receber a quantidade de oxigênio necessária para o seu funcionamento adequado. A maldade está em nosso espírito e é consequência de nossas escolhas de agora e do passado, mesmo que não recordemos quais foram.

  Até os 7 anos de idade, o espírito da criança ainda está despertando, formando seu caráter e após esse período ele expõe as boas e as más tendências. Por isso, o bom exemplo e a correção adequada da má conduta nesse período dos primeiros 7 anos torna-se essencial para que a criança aprenda a amar, perdoar e a ser humilde, dentre outras tantas boas virtudes que podem ser trabalhadas.

  Conhece-se hoje muitos casos de pais que lamentam não ter corrigido más inclinações como por exemplo as do roubo, quando achavam bonitinho a criança roubar coisas de seus coleguinhas, diziam até mesmo que ela era mais esperta e por isso conseguia pegar algo dos outros. Mas depois que crescem, essas más inclinações afloram, tornam-se prejudiciais e causam o sofrimento do indivíduo e de todos os que com ele se relacionam. É ai, por exemplo, que os pais vêem o filho preso e sendo julgado por um roubo real, que poderia ter sido impedido pela boa educação, a qual era carente no seu período de formação.

  Se os maus instintos fossem decorrentes da organização física, o homem estaria isento de toda e qualquer responsabilidade. Isso não seria justiça e nós sabemos que Deus é justo em tudo o que faz. Nós somos os responsáveis pelos nossos atos, pelas nossas escolhas e pelos nossos exemplos.

  A nossa melhoria depende do nosso esforço, pois todo homem que goza da plenitude de suas faculdades tem a liberdade de fazer ou não fazer qualquer coisa. Se escolhermos ser bons, nos aplicaremos nesse caminho e certamente obteremos algum sucesso na correção total ou ao menos parcial de nossas imperfeições. Mas se nada fizermos para mudarmos isso, não regrediremos, mas permaneceremos estacionados na nossa condição de seres imperfeitos e seremos cobrados pelo tempo que desperdiçamos.

  Para fazer o bem, só nos falta a vontade. Quem quer, faz! A oportunidade de ser uma pessoa melhor bate a porta todos os dias e nós costumamos recusá-la. Basta que observemos com cautela e logo notaremos que Deus nos concede a chance de sermos pessoas melhores e que se tivermos a vontade, poderemos realmente corrigir nossas imperfeições, nem que seja uma a uma, pois exemplos não nos faltam, já que Jesus nos deixou tantos bons exemplos.

  O trabalho é árduo, mas será recompensador. Cada imperfeição corrigida é uma vitória sobre si mesmo. O espírito adquire equilíbrio, paz e emana luz e boas vibrações, ampliando o seu campo vibratório e atraindo pessoas de melhor caráter para o seu círculo pessoal. Deixa para trás os erros cometidos e consegue apagar o mal que fez, com o bem que hoje faz. 

4 comentários:

  1. Como eu adorei ler!!!
    A busca do equilíbrio, superar e seguir em frente!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu adorei a sua visita! Obrigado pelo seu carinho e pelo seu comentário!
      Abraços fraternos!

      Excluir
  2. Muito bom o tema! Adoro fazer a leitura dos temas abordados, cada dia aprendo, aplico na minha vida e o resultado é excelente. Obrigada Igor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda Edlene e muito obrigado pelo seu comentário! Que bom que este canal de comunicação e disseminação do amor esteja lhe sendo útil, esse é realmente o objetivo deste projeto.

      Abraços fraternos!

      Excluir