quarta-feira, 16 de julho de 2014

Privilégio Cristão.


  "Olvidar aos próprios desejos, atendendo aos designios divinos."
André Luiz - Livro Agenda Cristã

  Olvidar significa esquecer, e que coisa melhor do que esquecer os próprios desejos egoístas que costumamos ter para darmos ênfase aos desejos do Pai?

  O Cristão é sempre chamado ao trabalho caridoso, mas nem sempre está pronto para ele, isso ocorre porque temos vivido muito mais a vida material e do que a vida espiritual.

  Quantas vezes vemos pais que ficam de hora-extra para conquistarem migalhas que lhes auxiliarão a comprar o aparelho de última geração, enquanto tudo o que Deus gostaria de ver era aquele mesmo pai cumprindo a função que lhe foi dada ao receber um filho nos braços, estando mais presente na vida do filho, ainda em formação, ainda necessitado de uma palavra fraterna, evitando que um dia o futuro jovem se perca no mundo das drogas e das ilusões.

  E como não falarmos daqueles que fogem ao compromisso de estudar o evangelho com a família e os amigos para irem curtir uma balada e voltarem de madrugada, cansados, exaustos, incapazes de aproveitarem bem o sono da noite que lhes foi concedido como repouso necessário para o corpo físico.

  Temos muitos desejos, muitas vontades, mas nem sempre o que queremos é o que realmente precisamos. É nesse contexto que descobrimos muitas causas de nossas aflições. Deus sabe o que é melhor para cada um de nós e precisamos aprender a ouvir mais o que o Pai nos diz. Meditar e refletir sobre nossos desejos, tentarmos entender se são realmente necessários ou se serão apenas cargas que adicionaremos sobre nossos ombros, sobrecarregando-nos e nos fazendo cair de joelhos diante de nossa imprudência.

  Não há mal em desejar uma vida melhor, mais confortável, mas há mal em querer o supérfluo quando ainda não aprendemos a usar corretamente nem o que temos. Desejar ter mais só para sermos como o vizinho, sem precisar daquilo, apenas por status.

  Qual de nós pode se dizer profundo conhecedor da vontade de Deus? Talvez nenhum, porque ainda não compreendemos bem o amor e sabemos que nossa tarefa aqui na Terra é o aprendizado do amor. Como atender às expectativas do Pai se não estamos nos esforçando ainda no entendimento de suas leis universais do amor?

  Deixemos por um instante os nossos desejos de lado. Coloque-mo-nos em situação de reflexão sobre o tema. Busquemos dentro de nós as respostas que tanto ansiamos. Assim daremos o primeiro passo, o de aprendermos a ouvir. Em sequência talvez venha o segundo, o de aprendermos a compreender. E, por conseguinte, o terceiro que é o de aprender a praticar.

  Deus sempre quis o nosso bem, mas nós nem sempre quisemos a mesma coisa, até porque ainda não compreendemos corretamente o que é o bem e o que é o mal. Confiemos mais em Deus, buscando atender os designios do Criador do universo e da vida, sendo humildes servidores e dedicados semeadores do amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário